ABDIAS DO NASCIMENTO

Neto de negros escravizados, e mesmo que nascido após a abolição, desde muito jovem sentiu o peso do racismo brasileiro. Em 1929 Abdias vai para a capital de São Paulo, começando aí sua vida como ativista; ele inicia sua militância na Frente Negra Brasileira, da qual foi um dos fundadores.

Após sair da Frente Negra, Abdias se envolve com um grupo de poetas brasileiros e argentinos e viajam juntos pela América Latina, e é nesse momento que ocorre a virada na vida de Abdias. Foi em Lima, no Peru, que ele assistiu à peça “Imperador Jones”, onde personagens negros eram interpretados por atores brancos fazendo black face.

De volta ao Brasil, em 1944, Abdias fundou o Teatro Experimental do Negro (TEN), que foi muito importante para o fortalecimento do movimento negro brasileiro, até a ditadura militar. No período ditatorial Abdias foi exilado e, quando retornou ao Brasil, ajudou a fundar o Movimento Negro Unificado (MNU), foi deputado federal (1983), secretário de estado e Senador da República (1997). Escritor e dramaturgo, escreveu diversos livros, como Sortilégio e O Negro Revoltado.

Abdias do Nascimento, considerado um dos maiores expoentes da cultura negra no Brasil e no mundo, fundou entidades pioneiras como o Teatro Experimental do Negro (TEN), o Museu da Arte Negra (MAN) e o Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (IPEAFRO). Foi um idealizador do Memorial Zumbi e do Movimento Negro Unificado (MNU) e atuou também em movimentos internacionais como a Negritude e o Pan-Africanismo. Nasceu em Franca, SP, em 14 de Março de 1914 e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, a 24 de Maio de 2011

 

Selvo Afonso

Acrílica sobre tela, 1.0m x 0.70m / 2017